16/06/2020

Como registrar desfibrilador na Anvisa

Como registrar desfibrilador na Anvisa Como registrar desfibrilador na Anvisa

Desfibrilador é um aparelho que dispara cargas elétricas moderadas no coração com a intenção de restabelecer o ritmo cardíaco. O funcionamento do equipamento usado em paradas cardiorrespiratórias se dá através de pás posicionadas no tórax.

Existem 3 tipos de desfibriladores:

  • Unidade de Manutenção das Funções Vitais: Equipamento usado para monitorar funções vitais como: pressão sanguínea, ritmo cardíaco, temperatura, oxigenação e outros. Esse equipamento é usado somente por profissionais da saúde permitindo o uso da função desfibrilador quando necessário reanimar ou corrigir arritmias.
  • Desfibrilador Externo Automático: DEA é um pequeno aparelho que pode ser manuseado até por leigos mediante a treinamento prévio. O equipamento possui “inteligência artificial”, medindo automaticamente o ritmo cardíaco e a voltagem necessária para a correção baseada nos dados captados no paciente.
  • Cardioversor Desfibrilador Implantável: CDI é um pequeno dispositivo implantando sob a pele juntamente com um marcapasso. O aparelho identifica arritmias e age com impulsos elétricos para corrigí-las.

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) classifica desfibriladores como correlatos (produtos para a saúde) com variável na classificação de risco de III – alto risco a IV- Máximo risco. Classe IV - Máximo risco, é a classificação para produtos invasivos como o caso do equipamento CDI.

Ambas as classificações de risco são passíveis da Certificação de Boas Práticas de Fabricação para registrar desfibrilador na Anvisa. A obtenção desse certificado é obrigatória para qualquer empresa que atue com produtos classificados como classe de risco III e IV.  Saiba mais: Certificado de Boas Práticas de Fabricação.

O primeiro passo para registrar desfibrilador na Anvisa é ter conhecimento de sua classificação de risco! Veja nesse conteúdo todas as etapas necessárias para registrar desfibrilador na Anvisa.

O que é necessário para registrar desfibrilador na Anvisa?

Para registrar desfibrilador na Anvisa é necessário comprovar a eficácia e segurança do equipamento através de laudos e testes. Feito isso, é solicitado a apresentação de informações específicas sobre o produto, como: voltagem, assessórios, manual de instruções, material de composição e outros. Saiba mais: Registro de produto.

Antes de registrar produtos a empresa deve estar devidamente regularizada junto a Anvisa, caso contrário não será possível registrar desfibrilador na Anvisa.
Se sua empresa ainda não possui a devida regularização, veja abaixo como conquistá-la para então registrar desfibrilador na Anvisa com sucesso!

Regularização Empresa

A primeira etapa de regularização da empresa para registrar desfibrilador na Anvisa consiste em obter a Licença de Funcionamento. Esta é solicitada junto a VISA (Vigilância Sanitária Local) – (Municipal ou estadual). Nessa etapa regulatória cabe a empresa adequar seu local seguindo as orientações da RDC (Resolução da Diretoria Colegiada) relacionada a atividade exercida para posterior inspeção de um agente fiscalizador da Visa. Saiba mais: Licença de Funcionamento.

A última etapa da regularização: Autorização de Funcionamento empresa (AFE) ocorre em Brasília e é analisado diretamente pela Anvisa. Nesse processo ocorre compilação de documentos, recolhimento de taxas e outros. Saiba mais: Licença de Funcionamento Empresa (AFE)

Fale com quem entende!

Não deixe a burocracia roubar sua paz! Contrate a Stone Okamont e conte conosco para te ajudar a registrar desfibrilador na Anvisa.

Preencha o formulário abaixo e tire todas as suas dúvidas sobre como registrar desfibrilador na Anvisa.

Redator: Gabriela Batman Carvalho

Solicite um orçamento

* Campos obrigatórios

Digite o que você procura